Skip to content
Metodologia Científica

O que é pesquisa científica?

Pesquisa científica

Ao chegar à universidade, o estudante começa a receber a solicitação dos seus professores para realizar pesquisas científicas, mas, o que é pesquisa cientifica? Qual é a importância da pesquisa cientificapara a formação acadêmica do estudante?

É necessário que universitário pesquise livros, textos, artigos, separatas e outros recursos para a complementação dos tópicos expostos em aulas, bem como para a realização de trabalhos acadêmicos e monografias. Em sentido amplo, pesquisar significa realizar empreendimentos para descobrir, para conhecer algo.

Conceito de Pesquisa

À pesquisa constitui um ato dinâmico de questionamento, indagação e aprofundamento. Consiste na tentativa de desvelamento de determinados objetos. É a busca de uma resposta significativa há uma dúvida ou problema. Para os iniciantes em pesquisa científica o mais importante deve ser a preocupação na aplicação dos métodos científicos em vez de propriamente a ênfase nos resultados obtidos com o final. O objeto dos principiantes deve ser a aprendizagem quanto a forma de percorrer as fases da pesquisa simples e a operacionalização de técnicas de investigação. As pesquisas devem contribuir para a formação de consciência crítica ou do espírito científico no pesquisador.

Ainda no processo de formação do acadêmico, a pesquisa bibliográfica é de grande eficácia porque permite o pesquisador obter uma postura cientifica quanto a elaboração de informações da produção cientifica já existente, quanto à elaboração de relatórios e quanto à sistematização do conhecimento que lhe é transmitido no dia-a-dia. (BARROS; LEHFELD, 2014).

No caso das agências de apoio à pesquisa _ Capes (Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) – , principais fornecedores de bolsas de estudos e financiadores dos programas de pós-graduação do Brasil, as exigências, tanto para a apresentação de projetos quanto para a apresentação de relatórios de pesquisa, são as mesmas para mestres e doutores, bem como para bolsistas de iniciação científica, o que distingue é apenas o grau de complexidade de sua produção. (CERVO; BERVIAN; DA SILVA, 2007).

No Brasil, a pós-graduação lato sensu, preferencialmente na forma de cursos de especialização, não tem a tradição de fazer pesquisa, pois, em tese, visa a formar especialistas para o mercado de trabalho e não pesquisadores, exigindo-se dos estudantes a realização de um trabalho monográfico denominado trabalho de conclusão de curso (TCC), trabalho de graduação interdisciplinar (TDI), trabalho de final de curso (TFC) ou simplesmente monografia. De forma semelhante aos cursos de especialização, o mestrado profissional também tem por objetivo a formação para o mercado de trabalho, especialmente o mercado externo à universidade, exigindo dos estudantes a apresentação de um trabalho monográfico ao final do curso. Tendo em vista a organização do ensino no Brasil, podemos elencar alguns graus de complexidade em que são feitas as pesquisas, sem que isso signifique necessariamente diferentes tipos de pesquisa. (CERVO; BERVIAN; DA SILVA, 2007).

Contribuir com o conhecimento pesquisando

A pesquisa, porém, não é a única forma de obtenção de conhecimentos e descobertas. Outros meios de acesso ao saber que dispensam o uso de processos científicos, embora sejam válidos, não podem ser enquadrados como tarefas de pesquisa. Dois desses meios, aliás, como recomendáveis, são a consulta bibliográfica e a consulta documental, que se caracterizam por dirimir pequenas dúvidas, recorrendo à bibliografia específica ou a documentos, respectivamente. Essa busca de esclarecimentos não é pesquisa porque envolve problemas e soluções menos significativos e dispensa o emprego de processos rigorosos. Além disso, o registro dos dados levantados não é exigido e, quando ocorre, se reduz à mera cópia ou transcrição. O relatório de resultados, por outro lado, é indispensável na pesquisa. (CERVO; BERVIAN; DA SILVA, 2007).

O que é uma pesquisa cientifica?

Pesquisa é um procedimento racional, sistemático, que tem por objetivo buscar respostas aos problemas que são propostos. (SEVERINO, 2017).

A pesquisa pode ser considerada um procedimento formal com método de pensamento reflexivo que requer um trabalho científico e se constitui no caminho para se reconhecer a realidade ou para descobrir verdades espaciais. Significa muito mais do que apenas procurar a verdade: é encontrar respostas para assuntos propostos, utilizando métodos científicos. (LAKATOS, 2014).

Segundo Andrade (2017), pesquisa é um conjunto de procedimentos sistemáticos, baseado no raciocínio lógico, que tem por objetivo encontrar soluções para problemas propostas, mediante utilização de métodos científicos. Todos os conceitos de pesquisa, de uma ou de outra maneira, apontam seu caráter racional predominante. Longa seria a enumeração das várias conceituações propostas por diversos autores. Essas conceituações apenas acrescentam detalhes especificadores, mantendo a ideia de procedimento racional que utiliza métodos científicos.

São inúmeros os conceitos sobre pesquisa, mas os estudiosos ainda não chegaram a um consenso sobre o assunto. De acordo com o Webster’s Internacional Dictionary, pesquisa é uma indagação minuciosa ou exame crítico e exaustivo na procura de fatos e princípios; uma diligente busca para averiguar algo. Pesquisar não é apenas procurar a verdade; é encontrar respostas para questões propostas, utilizando métodos científicos. (MARCONI; LAKATOS, 2017).

Ander-Egg (1978, p. 28 apud, Marconi; Lakatos, 2017, p. 01) vai além: para ele, a pesquisa é um “procedimento reflexivo metódico, controlado e crítico, que permite descobrir novos acontecimentos ou dados, relações ou leis, em qualquer campo do conhecimento”. A pesquisa, portanto, é um procedimento formal, com método de pensamento reflexivo, que requer tratamento científico e se constitui no caminho para se conhecer a realidade ou para descobrir verdades parciais.

Ander-Egg (1978, p. 28 apud Marconi; Lakatos, 2018, p. 01) define pesquisa é uma atividade que se realiza para a investigação de problemas teórico ou práticos, empregando métodos científicos. Significa muito mais do que apenas procurar a verdade: é encontrar respostas para assuntos propostos, utilizando procedimento científicos. Especificamente é “um procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir recentes fatos ou dados, relações ou leis, em qualquer campo do conhecimento”

A pesquisa tem para Rummel (1972, p. 3 apud. Marconi; Lakatos, 2017, p.2) dois significados: em sentido amplo, engloba todas as investigações especializadas e completas; em sentido restrito, abrange os vários tipos de estudos e de investigações mais aprofundados.

Abramo (1979, p.25 apud, Marconi; Lakatos, 2017, p. 2) aponta a existência de dois princípios gerais, válidos na investigação científica, que podem ser assim sintetizados: a “objetividade e sistematização de informações fragmentadas”; indica, ainda, princípios particulares: aqueles que são válidos para a pesquisa, em determinado campo do conhecimento, e os que dependem da natureza especial do objeto da ciência em pauta.

Pesquisa, para Bagno (2010, p.17 apud Marconi; Lakatos, 2019, p. 169) é uma palavra que chegou até nós pelo espanhol, que herdou do latim:

Havia em latim o verbo perquiero, que significava “procurar, buscar com cuidado; procurar; buscar com cuidado; procurar por toda parte; informar-se; inquirir; perguntar; indagar bem, aprofundar na busca”. […] Perceba que os significados desse verbo em latim insistem na ideia de uma busca feita com cuidado e profundidade.

Fazer pesquisa não é acumular dados e quantificá-los, mas analisar causas e efeitos, contextualizando-os no tempo e no espaço, dentro de uma concepção sistêmica. Segundo o autor, pode-se afirmar que em pesquisa não se deve utilizar apenas um método, uma vez que a metodologia de pesquisa necessita analisar, de diferentes formas, os dados da realidade. Logo, é possível a utilização de mais de um método para se explicar uma determinada realidade, bem como a aplicação de vários instrumentos ou técnicas na operacionalização de uma pesquisa (OLIVEIRA, 2018).

A pesquisa tem importância fundamental no campo das ciências sociais, principalmente na obtenção de soluções para problemas coletivos. (MARCONI; LAKATOS, 2017)

Qual a importância da pesquisa cientifica?

A Pesquisa científica objetiva fundamentalmente contribuir para a evolução do conhecimento humano em todos os setores: da ciência pura ou aplicada, da matemática ou da agricultura, da tecnologia ou da literatura. Tais pesquisas são sistematicamente planejadas e levadas a efeito segundo critérios rigorosos de processamento das informações. Será chamada pesquisa científica se sua realização for objeto de investigação planejada, desenvolvida e redigida conforme normas metodológicas consagradas pela ciência. (MEDEIROS, 2019).

metodologia da pesquisa cientifica

Assim, toda pesquisa tem uma intencionalidade, que é a de elaborar conhecimentos, que possibilitem compreender e transformar a realidade: como atividade, está inserida em determinado contexto histórico-sociológico, estando portanto, ligada a todo um conjunto de valores, ideologia, concepções de homem e de homem que constituem esse contexto e que fazem parte também daquele que exerce essa atividade, ou seja, o pesquisador. (PÁDUA, 2016).

No plano da pesquisa, epistemologia, método científico e procedimentos técnicos se constituem como elementos indispensáveis em todo o processo de investigação que se desencadeia com o pesquisar; entretanto esse processo está longe de ser homogêneo, linear, uniforme, a-histórico. (PÁDUA, 2016).

A pesquisa é uma atividade voltada para a investigação de problemas teóricos ou práticos por meio do emprego de processos científicos. Ela parte, pois, de uma dúvida ou problema e, com o uso do método científico, busca uma resposta ou solução. Os três elementos – dúvida/problema, método científico e resposta/solução – são imprescindíveis, uma vez que uma solução poderá ocorrer somente quando algum problema levantado tenha sido trabalhado com instrumentos científicos e procedimentos adequados. (CERVO; BERVIAN; DA SILVA, 2007)

Qual a diferença entre pesquisa e pesquisa científica?

Costuma-se, perguntar: o que diferencia fundamentalmente a pesquisa denominada científica ou positiva da pesquisa não científica? (BARROS; LEHFELD, 2014).

Pode-se definir pesquisa como o procedimento racional e sistemático que tem como objetivo fornecer respostas aos problemas que são propostos. A pesquisa é requerida quando não se dispõe de informação suficiente para responder ao problema, ou então, quando a informação disponível se encontra em tal estado de desordem que não possa ser adequadamente relacionada ao problema. A pesquisa [científica] é desenvolvida mediante o concurso dos conhecimentos disponíveis e a utilização cuidadosa de métodos e técnicas de investigação científica. Na realidade, a pesquisa desenvolve-se ao longo de um processo que envolve inúmeras fases, desde adequada formulação do problema até a satisfatória apresentação dos resultados. (GIL, 2019).

Já para Barros e Lehfeld (2014), para que a pesquisa receba qualificação de científica ela deve ser efetivada pela utilização da metodologia científica e de técnicas adequadas para obtenção de dados relevantes ao conhecimento e a compreensão de dados fenômenos. O conhecimento obtido pela investigação científica contribuirá para a ampliação do conhecimento já acumulado, bem como para a construção, reformulação e transformação de teorias cientificas, ou seja, a pesquisa é considerada pesquisa científica quando é realizada com método científico próprio e técnicas específicas.

É preciso que a pesquisa se volte para realidade empírica e que os seus resultados possam ser comunicados. Os autores ainda acrescentam que a pesquisa científica consiste na observação dos fatos tal como ocorrem espontaneamente, na coleta de dados e no registro de variáveis presumivelmente relevantes para análises posteriores. Sem pesquisa, não há progresso. A pesquisa é um processo reflexivo, sistemático, controlado crítico que nos conduz à descoberta de novos fatos e das relações entre as leis que regem o aparecimento ou ausência deles.

Como obter os dados de uma pesquisa?

Os dados de uma pesquisa podem ser obtidos através da utilização de Técnicas de Pesquisa.

Marconi e Lakatos (2019) definem técnica como um conjunto de procedimentos de que serve uma ciência ou arte; é a habilidade para usar esses preceitos ou normas. Toda ciência utiliza inúmeras técnicas na obtenção de seus propósitos.

Michel (2015, p.81 apud MARCONI; LAKATOS, 2019, p. 189) afirma a necessidade, por parte do pesquisador de procedimentos para sistematizar, categorizar e tornar possível a análise de dados brutos coletados na pesquisa, que lhe permita chegar a resultados de pesquisa significativos. Define então técnicas de pesquisa, como “instrumentos utilizados para se coletar dados e informações em pesquisa de campo, que devem ser escolhidos e elaborados criteriosamente, visando à análise e explicação de aspectos teóricos estudados”. Ainda segundo Michel, é por meio das técnicas de pesquisa que as fontes de informação “falam”: “são, portanto, ferramentas essenciais para a pesquisa e merecem todo o cuidado na sua elaboração, para garantir fidelidade, qualidade e completude dos resultados”.

Toda a pesquisa implica no levantamento de dados de variadas fontes, quaisquer que sejam os métodos ou técnicas empregadas. Os dois processos pelos quais se podem obter os dados são a documentação direta e a indireta. (MARCONI; LAKATOS, 2019).

Documentação indireta

Toda pesquisa implica o levantamento de dados de variadas fontes, quaisquer que sejam os métodos ou técnicas empregadas. Se constitui de fontes de dados coletados por outras pessoas, podendo constituir-se de material já elaborado ou não. Esse material-fonte geral é útil não só por trazer conhecimentos que servem de background ao campo de interesse, como também para evitar possíveis duplicações e/ou esforços desnecessários; pode, ainda, sugerir problemas e hipóteses e orientar para outras fontes de coleta. O levantamento de dados é a fase da pesquisa realizada com intuito de recolher informações prévias sobre o campo de interesse. Ele se constitui de um dos primeiros passos de qualquer pesquisa científica e é feito de duas maneiras: pesquisa documental (ou de fontes primárias) e pesquisa bibliográfica (ou de fontes secundárias). (MARCONI; LAKATOS, 2019)Documentação direta

Se constitui, em geral, no levantamento de dados no próprio local onde os fenômenos ocorrem. Esses dados podem ser conseguidos de duas maneiras: através da pesquisa de campo ou da pesquisa de laboratório. Ambas se utilizam das técnicas de observação indireta intensiva (observação e entrevista) e de observação direta extensiva (questionário, formulário, medidas de opinião e atitudes técnicas mercadológicas).

O que são fontes primárias e secundárias da pesquisa?

a) Fontes primárias

São aqueles documentos de primeira mão, provenientes dos próprios órgãos que realizaram as observações. Englobam todos os materiais, ainda não elaborados, escritos ou não, que podem servir como fonte de informação para a pesquisa científica. Podem ser encontrados em arquivos públicos ou particulares, assim como em fontes estatísticas compilados por órgãos oficiais e particulares. Incluem-se aqui como fontes não escritas: fotografia, gravações, imprensa falada (televisão e rádio), desenhos, pinturas, canções, indumentárias, objetos de arte, folclore, etc.

b) Fontes Secundárias

A pesquisa bibliográfica ou de fontes secundárias trata-se de um levantamento de toda a bibliografia já publicada, em formas de livros, revistas, publicações avulsas e imprensa escrita. Sua finalidade é colocar o pesquisador em contato direto com tudo aquilo que foi escrito sobre determinado assunto, com o objetivo de permitir ao cientista “o reforço paralelo na análise de suas pesquisas ou manipulação de informações” (Trujillo, 1970, p.230 apud Lakatos, 2014, p. 44). A bibliografia pertinente “oferece meios para definir, resolver, não somente problemas já conhecidos, como também explorar novas áreas, onde ainda não se cristalizaram suficientemente” (Manzo, 1971, p.32 apud Lakatos, 2014, p.44).

A discrição do que é e para que serve a pesquisa bibliográfica permite compreender que, se de um lado a resolução de um problema pode ser obtida através dela, por outro, tanto a pesquisa de laboratório quanto a de campo (documentação direta) exigem, como premissa, o levantamento do estudo da questão que se propõem analisar e solucionar. A pesquisa bibliográfica pode, portanto, ser considerada também como o primeiro passo de toda a pesquisa científica.

Pode-se definir pesquisa como procedimento racional e sistemático que tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. A pesquisa requerida quando não se dispõe de informação suficiente para responder ao problema com, ou então quando a informação dispensável se encontra em tal estado de desordem que não possa ser adequadamente relacionada ao problema.

A pesquisa é desenvolvida mediante o concurso dos conhecimentos disponíveis e a utilização cuidadosa de métodos e técnicas de investigação científica. Na realidade, a pesquisa desenvolve-se ao longo de um processo que envolve inúmeras fases desde adequada formulação do problema até a satisfatória apresentação dos resultados.Por que se faz pesquisa?

Há muitas razões que determinam a realização de uma pesquisa. Podem, no entanto, ser classificadas em dois grandes grupos: razões de ordem intelectual e razões de ordem prática. As primeiras decorrem do desejo de conhecer pela própria satisfação de conhecer. As últimas decorrem do desejo de conhecer com vistas a fazer algo de maneira mais eficiente ou eficaz.

Tem sido comum designar as pesquisas decorrentes desses dois tipos de questões como puras e aplicadas e discuti-las como se fossem mutuamente exclusivas. Essa postura, no entanto, é muito adequada pois a ciência objetiva tanto conhecimento em si mesmo quanto as contribuições práticas decorrentes desse conhecimento. Uma pesquisa sobre problemas práticos pode conduzir a descoberta de princípios científicos. Da mesma forma, uma pesquisa pura pode fornecer conhecimentos passíveis de aplicação prática imediata. (GIL, 2019)

Tomada num sentido amplo, pesquisa é toda atividade voltada para a solução de problemas; com o atividade de busca, indagação, investigação, inquirição da realidade, é a atividade que vai nos vai permitir, no âmbito da ciência, elaborar um conhecimento, ou um conjunto de conhecimentos, que auxilie na compreensão dessa realidade e nos oriente em nossas ações. (PÁDUA, 2016)

O que é necessário para fazer uma pesquisa?

a) Qualidades pessoais do pesquisador: o êxito de uma pesquisa depende fundamentalmente de certas qualidades intelectuais e sociais do pesquisador, tais como: conhecimento do assunto a ser pesquisado; curiosidade; criatividade; integridade intelectual; atitude autocorretiva; sensibilidade social; imaginação disciplinada; perseverança; paciência e confiança na experiência.

b) Recursos humanos, materiais e financeiros: é muito difundida a visão romântica de ciência que procura associar as invenções e descobertas exclusivamente à genialidade do cientista. Não há como deixar de considerar o papel capital das qualidades pessoais do pesquisador no processo de criação científica, mas é necessário considerar o papel desempenhado pelos recursos que de que dispõe o pesquisador no desenvolvimento e na qualidade dos resultados da pesquisa. Fica evidente que uma pesquisa conduzida com amplos recursos tem maior probabilidade de ser bem-sucedida do que em que os recursos disponíveis são deficientes.

Por essa razão, qualquer empreendimento de pesquisa para ser bem-sucedido, deverá levar em consideração o problema dos recursos disponíveis. O pesquisador deve ter noção do tempo a ser utilizado na pesquisa e valorizá-lo em termos pecuniários. Deve prover-se dos equipamentos e o material necessário ao seu desenvolvimento. Deve estar também atento aos gastos decorrentes da remuneração dos serviços prestados por outras pessoas. Em outras palavras: qualquer empreendimento de pesquisa deve considerar a força de trabalho,
 monetário e financeiros necessários à sua efetivação. Para fazer frente a essas necessidades, o pesquisador precisa elaborar um plano de ação que inclua um orçamento adequado. O que significa, de certa forma, que o pesquisador também precisa assumir funções administrativas. (GIL, 2019)

A realização de uma pesquisa pressupõe alguns requisitos básicos, tais como a qualificação do pesquisador, a força de trabalho, monetário e financeiros (ANDRADE, 2017)

Por mais qualificado que seja o pesquisador, não pode ignorar certas circunstâncias extra científicas. Além de tempo para dedicar-se a pesquisa, são necessários, equipamentos, livros e outros recursos e, conforme o caso, a verba para remuneração de serviços prestados por outras pessoas. Isto significa que, para realizar uma pesquisa, devem ser levados em conta os Rh e materiais, tais como disponibilidade de tempo e indispensável suporte financeiro. (ANDRADE, 2017)

Por que elaborar um projeto de pesquisa?

Para Gil (2019), como toda atividade racional e sistemática, a pesquisa exige que as ações desenvolvidas ao longo do seu processo sejam efetivamente planejadas. De modo geral, concebe-se o planejamento como a primeira fase da pesquisa, que envolve a formulação do problema, a especificação de seus objetivos, a construção de hipóteses, a operacionalização dos conceitos etc. O planejamento deve envolver também os aspectos referentes ao tempo a ser despedido na pesquisa, bem como à força de trabalho, materiais e financeiros necessários à sua efetivação.

A moderna concepção de planejamento, apoiada na Teoria Geral dos Sistemas, envolve quatro elementos necessários à sua compreensão: processo, eficiência, prazos e metas. Assim, nessa concepção, o planejamento da pesquisa pode ser definido como processo sistematizado mediante o qual se pode conferir maior eficiência a investigação para em determinado prazo alcançar o conjunto das metas estabelecidas.

O planejamento da pesquisa concretiza-se mediante a elaboração de um projeto [de pesquisa], que é o documento explicitador das ações a serem desenvolvidas ao longo do processo de pesquisa. O projeto deve, portanto, especificar os objetos da pesquisa, apresentar a justificativa de sua realização, definir a modalidade de pesquisa e determinar os procedimentos de coleta e análise de dados. Deve, ainda, esclarecer acerca do cronograma a ser seguido no desenvolvimento da pesquisa e proporcionar a indicação dos Rh., financeiros e materiais necessários para assegurar o êxito da pesquisa.

O projeto interessa sobretudo ao pesquisador e a sua equipe, já que apresenta o roteiro das ações a serem desenvolvidas ao longo da pesquisa. Interessa também a muitos outros agentes. Para quem contrata os serviços de pesquisa, o projeto constitui documento fundamental, posto que esclarece acerca do que será pesquisado e apresenta estimativa dos custos. Quando se espera que determina que determinada entidade financie uma pesquisa, o projeto é o documento requerido, pois permite saber se o empreendimento se ajusta aos critérios por ela definidos, ao mesmo tempo em que possibilita uma estimativa da relação custo-benefício. Também se poderiam arrolar entre os interessados no projeto os potenciais beneficiários de seus efeitos e os pesquisadores da mesma área.

Alguns pesquisadores possivelmente consideram que elaboração de um projeto de [pesquisa], com relações minuciosas de resultados aferíveis e de atividades correlacionadas específicas, poderá limitar o alcance da pesquisa, tornando-a um processo mais mecanizado e menos criativo. Entretanto, elaboração de um projeto de [pesquisa] é que possibilita, em muitos casos, esquematizar os tipos de atividades e experiências criativas.

Quais os elementos de um projeto de pesquisa?

Não há, evidentemente, regras fixas acerca da elaboração de um projeto. Sua estrutura é determinada pelo tipo de problema a ser pesquisado e pelo estilo de seus autores. É necessário que o projeto esclareça como se processará a pesquisa, quais as etapas que serão desenvolvidas e quais os recursos que devem ser alocados para atingir seus objetivos. É necessário, também, que o projeto seja suficientemente detalhado para a avaliação do processo de pesquisa.

Os elementos habitualmente requeridos no projeto são: formulação do problema; construção de hipóteses ou especificação dos objetivos; identificação do tipo de pesquisa; operacionalização das variáveis; seleção da amostra; elaboração dos instrumentos e determinação da estratégia de coleta de dados; determinação do plano de análise dos dados; previsão da forma de apresentação dos resultados; cronograma de execução da pesquisa; definição de recursos de capital humano, materiais e financeiros a serem alocados.

A elaboração de um projeto depende de inúmeros fatores, sendo que o primeiro e mais importante refere-se à natureza do problema. Devido à complexidade da natureza do problema, é até mesmo possível que não seja conveniente elaborar de imediato um projeto [de pesquisa]. Nessas circunstâncias, o mais apropriado poderia ser a elaboração de um plano genérico, ou um anteprojeto, que após passar por sucessivas alterações dê origem efetivamente ao projeto.

Rigorosamente um projeto só pode ser definitivamente elaborado quando se tem o problema claramente formulado, os objetivos bem determinados, assim como o plano de coleta e análise de dados (GIL, 2019).


Referências Bibliográfica:

BARROS, Aidil Jesus da Silveira; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Fundamentos de Metodologia Científica. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2014.

CERVO, Amado L.; BERVIAN, Pedro A.; DA SILVA, Roberto. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria Fundamentos de Metodologia Científica. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Como Fazer Pesquisa Qualitativa. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 24. ed. São Paulo: Cortes, 2016.

error: O conteúdo deste site tem direitos autorais

Send this to a friend